22º Festival de Jazz

aos sábados de 15/outubro até 5/novembro.

Venha curtir o festival de jazz anual mais antigo da Serra da Mantiqueira.

Traga seu amor, sua família, e vivenciem essas sensacionais noites de jazz e música instrumental brasileira da melhor qualidade, na tranquilidade do Jardim Suspenso, em um ambiente especialmente sonhado e feito para isso. 

Desde 1999

Com restaurante.

Nestes sábados dos eventos, a casa abre às 21:00h e as reservas são válidas até às 22:00h, quando começa o show, que em geral vai até 0:00h aproximadamente com um intervalo de 15-20 minutos.

Dia 15/out    Alessandro Penezzi

com o    Trio Quintessência

                     Fundado pelo músico, arranjador e compositor Aleh Ferreira em fevereiro de 2001, o Trio Quintessência executa a música popular brasileira (MPB), em suas variantes de choro, samba e bossa nova, peças de jazz e música clássica, assim como o pop internacional, sempre em arranjos vívidos e empolgantes.


                     Formado por três solistas e virtuosos, o bandolinista Aleh Ferreira, o violoncelista Júlio Cerezo Ortiz e o violonista Alessandro Penezzi, o Trio é considerado por alguns críticos musicais brasileiros, um dos melhores do Brasil. 


                      No segundo semestre de 2001, dentre quase 400 inscritos em todo o Brasil, o Trio classificou-se entre os semifinalistas do 4o Prêmio MPB VISA Eldorado, edição Instrumental.
 

                    Em julho de 2001, o Quintessência fez a sua primeira turnê nos Estados Unidos, participando do The 25th Anniversary Celebration Concert Series, em Waterplace Park, e do Providence International Mandolin Festival, ambos em Providence, Rhode Island.

 

                     Durante 23 dias, realizaram mais 15 shows.Em outubro do mesmo ano, o Trio apresentou-se na conceituadíssima Sala Tchaikowsky em Moscou, Rússia, onde empolgou o público no espetáculo que encerrou o Festival de Música Latino-Americana.

 

                     Empolgada, a platéia pediu cinco vezes um bis e foi só com a presença em palco da diretora da Orquestra Filarmônica de Moscou que foi possível encerrar o show.

 

                     Na volta de Moscou, em dezembro, o Trio Quintessência foi convidado especial da Orquestra Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo, para três concertos, executando arranjos especiais para trio e orquestra, dentre eles um feito especialmente pelo maestro Ciro Pereira para o Quintessência.

 

 

Dia 22/outubro

Eduardo Machado trio

 

                        Eduardo Machado estudou no Musicians Institute em Londres e é formado no Conservatório de Tatuí (SP). Expressa em seu contrabaixo, destreza e versatilidade, características preservadas em seus mais de 30 anos de carreira.
 

                        Considerado pela crítica especializada como um dos maiores nomes do contrabaixo brasileiro da atualidade, Eduardo tem 9 álbuns e 5 DVDs lançados, ministrou dezenas de workshops de contrabaixo e música brasileira por todo o Brasil.


                        Participou de dezenas de festivais, dentre eles vale citar o Hong Kong Jazz Festival (China), Jarasum Jazz Festival (Coréia do Sul), Rio Montreux Jazz Festival (Rio de Janeiro) etc.

 

                        Fez 4 turnês na Europa com seu grupo onde se apresentou em cidades como Paris, Berlim, Amsterdã, Zurique, Basel, Cracóvia, etc. Eduardo já trabalhou em quase todos os continentes (Europa, Ásia, América do Norte e América Latina).

                 

                      O show:


                      Se você parar para pensar em música, o que atribui o nome a um acorde é o contrabaixo. A frequência grave conforta, abraça, envolve, pulsa e ajuda a sentir a música em toda sua essência. O contrabaixo aguça os sentidos do ouvinte.


                      O show apresenta em cenas retratadas pelo baixista Eduardo Machado, a atual performance artística da música instrumental, com acordes, batuques, efeitos sonoros, em um jogo dinâmico e extremamente melódico. Jazz, funk, soul, rock, samba, baião...


                      Na alma do contrabaixo tudo cabe. Para este concerto da mais pura música instrumental, Eduardo Machado virá acompanhado por Eron Guarnieri no teclado, Daniel Padovan na bateria para, juntos apresentarem um repertório autoral e também releituras de clássicos do jazz, funk e rock com sonoras melodias, lindas harmonias e empolgante ritmo. Juntos irão envolver o público num jogo dinâmico que somente o contrabaixo brasileiro cria.

Dia 29/out

Armandinho Macedo

& Marcel Powell

                      Dois virtuoses que se encontram para homenagear Baden Powell, considerado o maior violonista brasileiro de todos os tempos.

                      Armandinho Macêdo e Marcel Powell se reúnem e Gravam um show inédito e histórico, lançado em maio de 2020 em CD ao vivo “Baden Powell Tribute”.

 

                      Armandinho Macêdo, filho de Osmar Macêdo, inventor do Trio Elétrico junto com Dodô, começou a carreira aos 10 anos, puxando um trio elétrico mirim que o pai fez especialmente para ele. Aos 15 anos espantou o Brasil ao se apresentar no programa “A grande chance”, de Flávio Cavalcante, quando ganhou notoriedade nacional. Na década de 70 passou a fazer parte do Trio Elétrico “Armandinho, Dodô e Osmar”, patrimônio imaterial da Bahia e do Brasil. Ainda na década de 70 montou o grupo “A Cor do Som”, junto com Mu Carvalho, Dadi, Ari Dias e Gustavo, lançando músicas de enorme sucesso em todo o Brasil. O grupo voltou a se reunir nos anos 2000 e até hoje fazem shows juntos.

                     Armandinho já se apresentou com os maiores nomes da música instrumental brasileira, como Paulo Moura, Rafael Rabelo, Altamiro Carrilho, Hermeto Pascoal, Egberto Gismonti, Wagner Tiso, Artur Moreira Lima, Yamandu Costa, e Dominguinhos, além de inúmeros cantores e cantoras consagrados nacionalmente. Também se apresentou e fez turnês com artistas mundialmente renomados, como Stanley Jordan e Stanley Clarke.

 

                 Marcel Powell começou a tocar profissionalmente aos 09 anos de idade, por incentivo de seu pai, Baden Powell, considerado o maior violonista brasileiro de todos os tempos. Com o pai, além das aulas em casa, teve a oportunidade de aprender seu ofício viajando, gravando e atuando profissionalmente pelo mundo afora. Morou 03 anos na França e pouco mais de 04 anos na Alemanha.

                 Sua discografia se inicia com 2 discos em família :Baden Powell e filhos (1994), gravado ao vivo na sala Guiomar Novaes no Rio de Janeiro, e Suíte Afro Consolação (1997), gravado no Japão, ambos com seu irmão Philippe, ao piano.

                Marcel Powell tem discos lançados no Brasil, Europa e Japão e já atuou em 16 países.

 

                Finalista do Prêmio da música Brasileira na categoria “revelação” em 2006,nesse mesmo ano foi considerado, pelo crítico musical Tárik de Souza, como o jovem mestre do violão brasileiro.

Considerado pela Crítica especializada como Violonista Virtuoso e refinado, Marcel já atuou com alguns dos maiores da música Brasileira como, Toni Garrido, Diogo Nogueira, Criolo, Marcelo D2,Hamilton de Holanda,Maria Bethânia, Alcione entre outros......

Dia 5/nov  Jubileu Filho Trio

                        
                             Diretor musical, multi-instrumentista, guitarrista, percussionista, violonista, baixista, trompetista, compositor, cantor e arranjador. Natural de Currais Novos/RN, iniciou sua carreira musical no ano de 1984 na banda municipal sinfônica Maestro Santa Rosa tocando trompa de harmonia e migrando para o trompete em seguida.

 

                             Começou sua carreira de guitarrista profissional aos onze anos de idade tocando em bandas de baile do RN. Nesses trinta e cinco anos de carreira acompanhou em shows e gravações vários artistas do cenário regional, nacional e internacional. Seu primeiro CD solo foi gravado em 2001 e lançado em 2003, intitulado Jubileu Filho Ao Vivo.

 

                              Em 2008, lançou seu segundo CD instrumental, dessa vez com ritmos nordestinos na formação Trio Candeeiro Jazz, juntamente com o baixista Sérgio Groove e Zé Hilton do acordeom. Entre os anos de 2009 e 2013, gravou e lançou o CD instrumental intitulado Versátil. No ano de 2016, gravou seu primeiro DVD ao vivo da obra Versátil que foi lançado no mês de Maio/2017. Em 2018 acompanhou a cantora Valéria Oliveira na turnê "Mirá" se apresentando em Portugal, Áustria e Suíça no tradicional festival de jazz de Montreux.

 

                             Ganhou por dois anos consecutivos ( 2018 e 2019 ) o Prêmio Hangar de música na categoria Produtor musical do ano e foi o homenageado do Festival Música Potiguar brasileira promovido pela UFRN e FM universitária de Natal-RN.


                              Em fevereiro de 2022 lançou nas plataformas de música seu novo álbum intitulado "Eu Quero é chorar" com composições voltadas para o Choro tendo a guitarra como instrumento solista..